domingo, 29 de maio de 2011

Operação policial no município de Fundão prende vereadores e secretários da prefeitura

Pelo menos doze pessoas foram presas. A operação visa desmantelar um esquema nas licitações e fraudes em várias secretarias de Fundão


A administração municipal de Fundão é alvo de uma operação do Ministério Público do Espírito Santo e da Polícia Civil desde a madrugada desta sexta-feira (27). Doze pessoas foram presas, entre empresários, secretários da prefeitura e vereadores da cidade localizada ao norte de Vitória.

A operação combate um esquema nas licitações e fraudes em várias secretarias de Fundão. Somente em royalties de petróleo, a que a cidade de Fundão tem direito a receber, o desvio chegava a R$900 mil por mês.

Os detidos na operação

Foram detidos o secretário de Saúde, Saulo Falchetto; o secretário de Educação, Uéliton Luiz Tonini; o secretário de Administração, Gleidson Demuner Patuzzo; o sub-secretário de Administração, Antônio Augusto Cole; o diretor de transporte escolar de Fundão, João Magno Graziotti; o secretário de Obras, Carlos Emídio Rodrigues Gomes; o secretário de Turismo, Milton dos Santos Filho; o vereador Ailson Abreu Ramos (PSC); o vereador Eloísio Rodrigues Fraga (PRB); a controladora do município de Fundão, Maria Aparecida Carreta; e os empresários Jovani Luís Nascimento Fraga e Ary Bartolomeu Pereira Junior.

Todos os detidos começaram a ser transferidos para o Centro de Detenção Provisória (CPD) de Aracruz por volta de 10h15. A controladora Maria Aparecida Carreta já foi encaminhada para o Presídio Feminino de Tucum, em Cariacica.

Durante a transferência, a polícia teve que isolar a delegacia da cidade para que os envolvidos não tivessem contato com a população. Moradores da cidade que estavam no local gritavam palavras de ordem e aplaudiam a ação policial enquanto os detidos entravam nas viaturas.

A investigação


A operação do Ministério Público Estadual e da Polícia tem como base uma investigação iniciada há pelo menos dois meses pelo Núcleo de Repressão às Organizações Criminosas (Nuroc). A coordenação é do promotor da cidade vizinha de Ibiraçu, Fábio Halmosy Ribeiro.

Interceptações telefônicas que embasam a investigação policial apontem que um secretário municipal de Fundão negociava pagamentos e compras de medicamentos com empresários. A partir dai foi descoberto um esquema que agia nas licitações da cidade com fraudes em várias secretarias. Em troca estaria o apoio que o grupo recebeu nas últimas eleições municipais.
O delegado Danilo Bahiense, superintendente de Polícia do Interior, declarou que é lamentável que os recursos desviados da Prefeitura de Fundão não tenham chegado à população. Ele também descartou que o prefeito Marcos Moraes estivesse entre os detidos. "As investigações continuam com ajuda do Ministério Público. Inclusive, os delegados vão ao Ministério Público de Ibiraçu para acompanhar os depoimentos".

Operação na madrugada


A movimentação policial em Fundão começou por volta de 4h desta sexta-feira (27), com a participação de pelo menos 115 policiais. Eles vieram do 5º Batalhão da Polícia Militar, da Superintendência de Polícia do Interior, do Grupo de Apoio aos Promotores, e também há participação de sete delegados.

Eles cumpriram 24 mandados de busca e apreensão e 12 mandos de prisão, em Fundão.

O promotor de Ibiraçu, Fábio Halmosy Ribeiro, informou que ainda hoje vai entrar com uma ação de improbidade administrativa contra a Prefeitura de Fundão e o prefeito Marcos Fernando Moraes. (Com informações de Eduardo Fachetti e Nuno Moraes)

Fonte: Gazeta Online

'Fundão está doente', repudia Transparência Capixaba sobre operação Tsunami no município

A organização sugere ainda que deve-se exigir de imediato que as prefeituras desses municípios menores do Espírito Santo, apesar do prazo que têm até maio de 2013, implantem os seus portais de transparência


Após a operação Tsunami do Ministério Público do Espírito Santo e da Polícia Civil realizada em Fundão que resultou em doze prisões entre empresários, secretários da prefeitura e vereadores, a ONG Transparência Capixaba divulgou neste sábado (28) um artigo afirmando que Fundão está doente. A organização sugere ainda que deve-se exigir de imediato que as prefeituras desses municípios menores do Espírito Santo, apesar do prazo que têm até maio de 2013, implantem os seus portais de transparência.

A operação Tsunami combate um esquema nas licitações e fraudes em várias secretarias do município. Somente em royalties de petróleo, a que a cidade de Fundão tem direito a receber, o desvio chegava a R$900 mil por mês.

Veja artigo na íntegra

A Operação Tsunami revelou um grande esquema de corrupção na cidade de Fundão. Segundo as denúncias feitas a partir da deflagração da Operação são inúmeros envolvidos.

Foram presos, somente ontem, 12 pessoas. São seis secretários municipais, um subsecretário, um chefe de departamento, dois vereadores e dois empresários. Na terminologia do direito, a se provar verdadeira a denúncia, é a isso que denominamos de organização criminosa. São eles: Saulo Falqueto - secretário de Saúde, Gleidson Patuzzo - secretário de Administração, Antônio Augusto Cole (PT) - subsecretário de Administração,
Wellington Tonini (PDT) - secretário de Educação, Milton dos Santos Filho - secretário de Turismo, Carlos Emídio Rodrigues Gomes - secretário de Obras, Maria Aparecida Carreta - chefe da Controladoria, João Magno Graziotti - diretor do Departamento de Transporte Escolar, Eloísio Rodrigues Fraga - vereador , Ailson Abreu Ramos - vereador, Jovane Luiz Nascimento Fraga - empresário e Ary Bartolomeu Pereira Júnior - empresário.

O Ministério Público do Estado do Espírito Santo, que coordenou a Operação, informou que já solicitou o afastamento do prefeito, Marcos Fernando Moraes (PDT), e do vice-prefeito, Ademir de Almeida (PSC), da cidade por improbidade administrativa.

É clara a vinculação de ambos, para o Ministério Público, com os crimes supostamente cometidos para pedir assim de imediato o seu afastamento.

O caso, mais uma vez, coloca em xeque a percepção de que o combate à corrupção tem solução. Com a previsível soltura desses secretários e demais envolvidos, visto que a prisão é temporária, e a demora para o julgamento deles, a percepção popular, bastante difundida, de que a corrupção não tem remédios efetivos novamente irá aflorar.

Isso demanda uma resposta dos públicos poderes e da sociedade para que esse estado de coisas não continue se repetindo ad eternum. O que fazer então?

Políticas preventivas de controle, transparência e participação são fundamentais. Mudanças na legislação, garantindo prioridade na tramitação de ações de improbidade administrativa e corrupção na Justiça, legislação mais dura e com mecanismos mais efetivos de congelamento dos bens dos envolvidos, para possível reparação dos recursos desviados, são alguns exemplos.

Uma questão importantíssima é o desenvolvimento de ações integradas dos órgãos de controle como o próprio MP-ES, com o Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo, a Controladoria-geral da União, do Tribunal de Contas da União e do Ministério Público Federal - para acompanhamento das verbas federais, do envolvimento real da Polícia Civil e a colaboração com a Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal.

É preciso que o órgão de controle interno, que deve existir em todas as prefeituras, tenha um corpo de servidores exclusivamente concursado, e seja dirigido por alguém que tenha mandato fixo e tenha o seu nome aprovado pelo Legislativo Municipal, depois de comprovar habilitação para o cargo e passar por sabatina pública com a presença dos órgãos externos de controle e da população da cidade.

Deve-se exigir de imediato que as prefeituras desses municípios menores, apesar do prazo que têm até maio de 2013, implantem os seus portais de transparência.

Uma outra questão fundamental é a necessidade do permanente acompanhamento, por parte dos cidadãos, das ações dos poderes públicos. Esse caso de Fundão assim o demonstra, pela enésima vez. Isso deve ser estabelecido como direito e percebido, por todos nós, como dever. A capacidade operacional dos órgãos de controle - externo ou interno - mesmo quando buscam o efetivo combate à corrupção não permite que toda a corrupção seja combatida e debelada, só a presença cidadã permitirá uma maior efetividade nesse combate.

Nesse sentido vale lembrar a necessidade, que já há anos destacamos, do controle e fiscalização da aplicação dos royalties do petróleo e gás por parte da população, por meio de Conselho específico para tal fim e audiências públicas periódicas.

Para isso é importante que os órgãos de controle externo - TCU, TCEES, CGU, MPF e MPES - capacitem grandes números de cidadãos em cada município para que eles possam fazer o trabalho de fiscalização colaborando diuturnamente no combate à corrupção.

Corrupção é uma doença crônica, mas tem remédios e pode ser mantida sob controle, nunca extinta, infelizmente. O seu combate permanente, a eterna vigilância como se diz, é o preço que os cidadãos devem pagar para termos poderes públicos com padrões éticos e morais que não permitem que organizações criminosas e corruptos individuais atuem impune e livremente no sistema público.

Fonte: Gazeta Online

Prefeito de Fundão se diz surpreso sobre prisão de autoridades municipais


Prefeitura de Fundão divulga nota em que prefeito se diz surpreso pela ação do Ministério Público e nega irregularidades


Após o Ministério Público Estadual (MPES) ter pedido à Justiça afastamento imediato do prefeito de Fundão, Marcos Fernandes Moraes (PDT), e do vice-prefeito, Ademir de Almeida (PSC), por improbidade administrativa, a prefeitura do município divulgou nota neste sábado (28) em que o prefeito nega irregularidades e se diz surpreso com a prisão de autoridades municipais.

A Operação Tsunami, deflagrada em Fundão nesta sexta-feira (27), levou para prisão doze pessoas, entre secretários municipais, vereadores da base aliada do prefeito, funcionários públicos e empresários. Marcos Moraes deve se posicionar publicamente sobre a ação na terça-feira, quando a prefeitura será oficialmente comunicada da ação pelo MPES.

O grupo é suspeito de desviar dos cofres públicos parte da verba mensal que a prefeitura recebe em royalties. Prefeito e vice-prefeito estariam envolvidos em esquema de fraudes de licitações públicas descobertas na Operação Tsunami, de acordo com o Ministério Público. O promotor de Ibiraçu, Fábio Ribeiro, responsável pelas investigações e coordenador da operação, ainda apura a quantia desviada nos últimos dois anos e meio.

O documento enviado pela Prefeitura diz que o prefeito vai manter a transparência na gestão e está disposto a cooperar para que as investigações do Ministério Público sigam até a elucidação. Ele informa que, na segunda-feira (30), o secretário de Finanças Jorge Oliveira vai apresentar detalhes das aplicações dos royalties pela administração municipal.

Na tarde desta sexta, o promotor de Ibiraçu afirmou que em Fundão existe uma verdadeira 'organização criminosa voltada para o desvio de dinheiro público, com intuito de beneficiar interesses particulares'. Uma das principais irregulariadades, segundo ele, acontecia no setor de limpeza pública. Uma única empresa era responsável pela coleta de lixo em toda a cidade, desde o início da atual gestão, sem ter passado por processo licitatório. Ela foi contratada de forma emergencial por tempo indeterminado.

A respeito desta acusação, o prefeito informou que não conhecia os representantes da empresa até o início da prestação de serviços no município e disse desconhecer qualquer doação. "Sobre a contratação emergencial, o prefeito afirma que ela é embasada em pareceres da Procuradoria Municipal. A prefeitura abriu processo licitatório, que sofreu atrasos por conta de recursos e embargos da Justiça, o que é previsto na legislação", diz a nota.

Em uma gravação telefônica interceptadas com autorização da Justiça a controladora Maria Aparecida Carreta conta para uma pessoa como orientou o Secretário de Obras, Carlos Emígio, a sumir com o processo de licitação do lixo pois, até fazer outro, o mandato do prefeito já teria terminado. Os dois estão entre os presos na operação.

A prefeitura informa que o trabalho nas repartições municipais será retomado normalmente na segunda-feira.

Fonte: Gazeta Online

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Inscrição para o Banco do Brasil começa hoje


A seleção é para formação de cadastro de reserva para o cargo de escriturário, que exige nível médio.

As inscrições para o concurso do Banco do Brasil, com vagas para o Espírito Santo, começam hoje. A seleção é para formação de cadastro de reserva para o cargo de escriturário, que exige nível médio. O salário é de R$ 1.280 para uma carga horária de 30 horas semanais.
A taxa de inscrição é de R$ 40. Para participar o candidato deve acessar o site da organizadora, a Fundação Carlos Chagas (www.concursosfcc.com.br), das 10h de hoje até as 14h do dia 14 de junho.

Uma prova objetiva será aplicada no dia 7 de agosto. Serão 80 questões - 40 sobre conhecimentos básicos (língua portuguesa, atualidades, matemática e raciocínio lógico) e 40 sobre conhecimentos específicos (informática, conhecimentos bancários e habilidades de atendimento.


Aprovação

Para ser aprovado, o candidato deverá acertar 50% das questões da prova básica e 60% da específica. A previsão é que o resultado final da seleção seja divulgado no dia 27 de setembro.


Além do Espírito Santo, as vagas serão preenchidas no Amazonas, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Santa Catarina. Esta é a primeira seleção do banco neste ano que contempla a região Sudeste.


Os concursos do banco são todos para cadastro de reserva Isso porque o banco adotou a prática de fazer concursos independentemente de haver vagas disponíveis, para ter sempre à mão um banco de candidatos aprovados. No ano passado, esses concursos passaram a ter validade de um ano, prorrogável por mais um. Antes o prazo era de dois anos, prorrogável pelo mesmo período.

Fonte: Gazeta On line


sábado, 21 de maio de 2011

Os 10 times brasileiros que mais ganharam dinheiro em 2010

Um levantamento feito pela consultoria BDO RCS, e publicado pelo site Futebol Finance, revelou a arrecadação que os clubes brasileiros tiveram em 2010. Confira os dez mais:

1º Corinthians: R$ 212,6 milhões

2º Internacional: R$ 200,7 milhões


3º São Paulo: R$ 195,7 milhões


4º Palmeiras: R$ 148,2 milhões


5º Flamengo: R$ 128,5 milhões


6º Santos: R$ 116,5 milhões


7º Grêmio: R$ 113,6 milhões



8º Cruzeiro: R$ 101,3 milhões

9º Atlético-MG: R$ 93,2 milhões


10º Vasco da Gama: R$ 83,5 milhões




Empresa premia executivos com prostitutas e orgia



Uma empresa controlada pelo grupo Munich Re premiou seus executivos de melhor desempenho comercial com uma orgia que teve a participação de 20 prostitutas, em Budapeste, na Hungria, segundo reportagem do jornal alemão “Handelsblatt” divulgada nesta quinta-feira.

A festa, realizada no verão de 2007, foi considerada uma “violação” da política da empresa, de acordo com Alexander Becker, porta-voz da empresa Ergo, a subsidiária do Munich Re que organizou a orgia. Os executivos envolvidos na organização da festa não estão mais empregados na empresa.

Foram recepcionados cerca de cem convidados no spa Gellert. As mulheres usavam fitas coloridas para diferenciar aquelas que estavam “reservadas” para executivos mais graduados. A divisão era a seguinte: fita vermelha para recepcionistas, amarela para prostitutas que estavam disponíveis para favores sexuais e branca para a diretoria. Depois que ia para a cama com algum executivo, a mulher tinha um selo afixado no antebraço.

Fonte: O Globo


quinta-feira, 19 de maio de 2011

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Ex-deputado se envolve em confusão na Câmara de VV e recebe voz de prisão de promotora


O ex-deputado estadual Jardel Vieira Machado Nunes, conhecido como Jardel dos Idosos, se envolveu em uma confusão na Câmara de Vereadores de Vila Velha e precisou prestar esclarecimentos à polícia na noite desta terça-feira (17).

Jardel foi cassado em 2008 por infidelidade partidária e foi até a Câmara acompanhar o processo de contratação de novos agentes de saúde do município. De acordo com o ex-parlamentar, a esposa do vereador Heliossandro - promotora Karla Dias Sandoval - cometeu abuso de autoridade ao dar voz de prisão a ele. Ainda segundo Jardel, um problema político foi transformado por Karla em problema pessoal.

"Eu falei que eu não a conhecia e pedi para ela me deixar ir embora. Ela disse que era promotora e você tem que me chamar de excelência. Eu disse que não ia chamá-la de excelência e ele me deu voz de prisão, disse que eu estava detido. Os seguranças me cercaram para me levar para a delegacia. Ela disse que eu a desacatei porque não chamei de promotora, chamei ela de senhora", explicou Jardel.

No Boletim de Ocorrência a promotora relatou que foi agredida verbalmente pelo ex-deputado. Mas Jardel negou a versão e se defendeu. Tinham várias pessoas lá, todo mundo viu que eu não fiz nada", disse.Jardel afirma que vai entrar na Justiça contra Heliossandro e a esposa. Ele quer que o casal responda criminalmente pelo ocorrido.

"O que fizeram comigo foi covardia, abuso de poder. Eu vou para o Ministério Público dar queixa sobre o abuso de autoridade o que ela fez comigo foi muito triste", afirmou o ex-deputado.


Fonte: Folha Vitoria

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Loja é condenada a pagar R$ 8 mil a funcionário que se vestiu de palhaço

Vendedor de shopping do Rio entrou na Justiça alegando dano moral. Testemunha relatou que o gerentes ofendia


A rede Lojas Renner foi condenada a pagar indenização de R$ 8 mil por dano e assédio moral a um funcionário no Rio de Janeiro. O vendedor de cartões afirmou que era obrigado a trabalhar fantasiado, usando chapéu e nariz de palhaço pelos corredores de um shopping da Zona Sul do Rio. A loja recorreu da decisão em primeira instância, mas a 6ª turma do Tribunal Regional do Trabalho manteve a condenação.Em depoimento, uma das testemunhas confirmou que o vendedor era obrigado a usar a fantasia. A testemunha disse ainda que a equipe de vendas sofria humilhações durante as reuniões diárias de trabalho. Conforme relatado no processo, segundo essa testemunha, as gerentes da loja cobravam o resultado dos empregados usando expressões como "incompetentes", "burros" e "idiotas".Para o desembargador Alexandre Agra Belmonte, houve dois atos ilícitos causadores de humilhação: a exposição da sua imagem com o uso de um chapéu de palhaço e as constantes ofensas cobrando metas de forma descabida. "A verdade é que o trabalhador, ou a sua imagem, serviu como meio de divulgação da marca, fazendo, além do serviço para o qual foi contratado, propaganda sem prévia autorização e sem receber participação pelo serviço, que é alheio ao contrato de trabalho", afirmou Belmonte na sentença.

Sobre a acusação de assédio moral, o desembargador escreveu: "A testemunha do autor ouvida, foi clara em indicar a forma agressiva e indelicada com que as gerentes da ré se dirigiam ao autor e demais vendedores, em público e de forma totalmente ilícita, causando humilhação e constrangimento ao mesmo."


Fonte: G1

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Venda Nova vela hoje vítimas de acidente



Mãe e filho vão ser velados em Lavrinhas enquanto corpo da irmã também vai passar por Viçosinha. Os três serão sepultados 9 horas amanhã (10)



Chamam-se Sônia Aparecida Constantino de Paula, 36 anos, e Maria Conceição Aparecida de Paula Salino, 24 anos, as irmãs que morreram no local do acidente ocorrido ontem (dia 8 de maio) no trevo de Venda Nova, às 18h10. Os outros envolvidos que sobreviveram foram levados ao Hospital Padre Máximo, onde o menino Bruno Constantino de Paula, de 13 anos, filho de Sônia, morreu durante o atendimento. Outra filha de Sônia, Natália Constantino Veríssimo, de apenas 2 anos, sobreviveu e foi transferida para o Hospital Infantil, em Vila Velha. Sônia e o filho vão ser velados em Lavrinhas. Já o corpo de Maria Conceição ficará um pouco em Viçosinha, onde morava, depois se juntará ao da irmã e do sobrinho. Os três serão sepultados 9 horas de amanhã, no Cemitério Padre Emílio.

Neste horário, se tudo acontecer conforme anunciado, estará acontecendo um protesto no local do acidente. Os outros passageiros do carro (pai e irmão das duas mulheres) receberam atendimento médico e, segundo informações do hospital, sem risco de morte. A família se envolveu num acidente entre um caminhão e um carro de passeio no final da tarde de ontem (8), no Km 103 da BR 262, em Venda Nova. Carregado com granito, o caminhão bi-trem de Paraopeba (MG) teria ultrapassado o sinal vermelho e batido na lateral de um carro verde, de Cachoeiro de Itapemirim. O motorista do caminhão, Sevoli Loch, de 46 anos, foi levado para o Departamento de Polícia (DP) de Venda Nova para evitar que fosse agredido pela população e também para prestar depoimento.

Segundo informações da polícia, ele não apresentava sinais de embriaguez. Depois, foi encaminhado à Delegacia de Afonso Cláudio. Sevoli teria avançado o sinal vermelho. Em depoimento, ele alega que passou por um primeiro sinal amarelo e, devido ao peso da carga, não parou no segundo semáforo. Nesse momento, piscou o farol para alertar os veículos que cruzariam a pista. Revoltados com o grande número de acidentes na região, mais de mil moradores quebraram postes e semáforos, e atearam fogo em pneus, pedaços de madeira e placas fechando, assim, as pistas principais e laterais da BR 262 nos dois sentidos, por volta das 20h. Policiais militares e da Polícia Rodoviária Federal tentaram intervir várias vezes para desbloquear a rodovia e liberar a fila de veículos que se formou em ambos os sentidos. Os militares teriam atirado com balas de borracha contra os manifestantes. Houve confronto direto entre moradores e policiais e o movimento só começou a dispersar por volta as 23h30.


Fonte: www.folhadaterra.com.br

Manifestantes fecham a BR em Venda Nova




Um acidente no início da noite de hoje, com quatro vítimas fatais, deixou a população revoltada

As informações são desencontradas, mas é certo que um acidente no início da noite deste domingo, dia 8, no trevo de acesso ao Centro de Venda Nova, fez pelo menos quatro vítimas fatais: duas mulheres, um adolescente e uma criança. Outras três pessoas ficaram feridas.


Uma carreta bi-trem, HSR 1461 de Paraopebas (MG) não teria freado ao sinal vermelho na Rodovia BR-262, atingindo um Monza, placa de Cachoeiro de Itapemirim/ES, MPO 5430, onde estavam moradores da cidade. Testemunhas dão conta de que a carreta estava carregada de granito e deixou marcas de frenagem de 15 metros. Os feridos foram levados ao Hospital Padre Máximo e o motorista da carreta está na delegacia. O clima de revolta e o caos se instalaram no local, onde os manifestantes fecharam o trânsito na rodovia e nas vias laterais, impedindo o tráfego por completo. Policiais militares estão no local tentando controlar a situação para que não se agrave ainda mais. Os semáforos foram quebrados e as placas de sinalização estão servindo de munição para as fogueiras, assim como pneus e os objetos que as pessoas encontram pela frente.


Mais de mil pessoas estão no local. No hospital, a situação também é de revolta. Familiares, amigos e desconhecidos estão na portaria em busca de informações, que vêm desencontradas. Sabe-se que duas mulheres morreram no local do acidente. Um menino de 11 anos morreu na sala de cirurgia e uma menina de 2, chegou a ser levada para Vitória, mas parece que morreu no meio do caminho.


A situação caótica se espalhou por outras ruas da cidade, pois os motoristas procuram ruas secundárias para se livrar do trânsito usando mão e contramão de ruas de mão única. A cidade está em festa, pois desde sexta-feira comemora o aniversário de emancipação de Venda Nova. Um folheto de protesto está sendo distribuído no local convocando toda comunidade para uma manifestação nesta terça-feira, dia 10 de maio- Dia de Aniversário do Município, às 7 horas, no mesmo local. O folheto pede para as pessoas levarem pneus, madeira ou o que tiverem para fechar o local.


Fonte: www.folhadaterra.com.br

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Lado perverso de uma moeda podre: servidores não têm regalias dadas ao pessoal do Judiciário



Enquanto juízes, desembargadores, promotores e procuradores de Justiça se isentam do pagamento de taxas bancárias, em que se incluem até dinheiro gasto com o cheque especial, o resto do funcionalismo público é mesmo, simplesmente, o resto: não goza de qualquer regalia do Banestes. Pelo contrario: existem servidores que têm até salário retido irregularmente pelo banco, depois de contraírem dívidas.
De acordo com o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos do Estado (Sindipúblicos), Gerson Correia, todos os servidores pagam as taxas bancárias, cada um dentro da modalidade de conta, sem qualquer dispensa de pagamento, como vem acontecendo com o Judiciário desde 2007 (período da Era Hartung). Eles pagam, pelo menos, a taxa de manutenção da conta e o programa Multivantagens do banco. Apesar de se colocarem, quando lhes convém, como servidores públicos, os membros do Judiciário não se furtam de se apresentar como agentes políticos quando issso também lhes é conveniente.
O sindicalista conta também o caso de um servidor que não vem recebendo salário, que fica retido automaticamente no Banestes pois causa de dívidas que ele contraiu no banco. Além de ter o salário retido, o servidor continua devendo ao banco e o valor deve continuar a ser descontado nos próximos vencimentos.
Já os juízes, desembargadores, promotores e procuradores de Justiça, além de serem isentos do pagamento de taxas, pagam valor muito abaixo do mercado no cheque especial e na obtenção de crédito. Os servidores do quadro do Estado, no entanto, só podem pegar empréstimos nos bancos oficiais, como Banco do Brasil, Caixa Econômica e o próprio Banestes, sem a possibilidade de vantagens que oferecem outras instituições financeiras ou bancos privados.
Pelo acordo firmado entre o Ministério Público do Estado (MPES) e o Tribunal de Justiça do Estado (TJES) com o Banestes, os membros do TJ e MP têm a concessão de 39% de desconto na tabela de cheque especial. A situação é revelada em ofícios obtidos com exclusividade pela reportagem de Século Diário, os quais demonstram o teor das conversações entre as cúpulas da Associação Espírito-Santense do Ministério Público (AESMP) e do banco estatal para a concessão dos benefícios.
Os documentos revelam que, na época da concessão da regalia – em dezembro de 2007 –, os membros do Ministério Público buscavam o tratamento diferenciado que já era dispensado aos membros da magistratura estadual. Os ofícios foram assinados pelo então presidente da AESMP, promotor Almiro Gonçalves da Rocha, e o diretor comercial do Banestes na época, Otacílio Pedrinha de Azevedo.






Fonte: Seculo Diario

Espírito Santo possui as duas estradas mais violentas do Brasil



O Espírito Santo figura nas duas primeiras posições das estradas mais violentas do Brasil, segundo dados de 2010 divulgados pelo Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (Dnit). Ao todo foram registrados 5.963 acidentes, com 1.826 feridos e 125 mortos, somente no ano passado, nos trechos das rodovias dentro do território capixaba.
A BR-381, que começa no Espírito Santo e vai até São Paulo, especificamente em São Mateus, ficou na primeira posição. Ela é apelidada de "Rodovia da Morte" devido ao grande número de acidentes fatais, principalmente do trecho que liga Belo Horizonte ao município capixaba. Ao todo foram registradas 4.405 colisões, com 1.252 pessoas feridas e 116 mortas.
Já a BR-101 que corta o Estado aparece em segundo lugar no ranking de estradas mais perigosas. Foram registrados 4.129 acidentes com 1.221 feridos e 94 mortes. Este número é maior do que o dobro da soma de todas as outras BR's, com a 262 e a 259, que cortam o Estado. No total, as rodovias restantes registraram 1.834 acidentes com 605 feridos e 31 mortos.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Homem confessa ter assassinado funcionária do Ciretran de Pedra Azul por vingança



O encarregado de serviços gerais Alamir Ribeiro, de 45 anos, confessou ter assassinado a funcionária do Ciretran de Pedra Azul, Rosimery Gerhardt Bertolini Grecco, de 47 anos, na última quinta-feira (28). O crime teria sido motivado por vingança.

O irmão de Alamir, o lavrador Osmir Ribeiro, de 40 anos, também foi detido. Ele é o proprietário da moto usada no crime, mas alega que não sabia de nada. "Eu não sabia para quê ele iria usar a moto. Ele me pediu emprestada para ir trabalhar. Ele saiu e voltou muito rápido e, quando voltou, a notícia do assassinato já tinha corrido".

Ao ser questionado pelo irmão se estava envolvido no crime, o acusado teria negado. "Eu perguntei a ele: Você não aprontou nada não né? E ele falou que não. Eu confiei nele porque ele sempre foi um homem justo e verdadeiro. Não desconfiei de nada", disse o irmão de Alamir.

Os irmãos foram presos na localidade de Aracê, em Domingos Martins e os policiais apreenderam celulares, capacetes capas de chuvas, um revólver e munição, usados no dia do crime. Além dos homens, um adolescente de 16 anos foi apreendido e encaminhado para a Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa em Vitória. Ele é sobrinho de Alamir e foi levado pelo tio para cometer o crime.

Uma vingança pode ter motivado o crime. Segundo o suspeito, a servidora havia feito fofocas e falado mal de sua esposa. "Eu fiz tudo para lavar a honra da minha família. A Rosi falou que a minha esposa estava me traindo. As pessoas começaram a me chamar de corno na rua, me humilhando. Eu descobri que não era verdade e minha esposa não merece ser humilhada. Até de prostituta ela foi chamada", disse o acusado.

Mesmo diante da confissão, a polícia não descarta outras motivações para o crime. "A polícia não descarta nenhum tipo de informação. Nos não fechamos o inquérito e as diligências estão sendo feitas. O crime em si está totalmente elucidado. A questão da motivação nós teremos que sedimentá-la e consolidá-la nos últimos dias que nos temos para concluir o inquérito", disse o chefe da Polícia Civil, Joel Lyrio.

A polícia também não descarta a hipótese de a morte de Rosimery estar relacionada à chamada "Máfia dos Caminhões". Na semana passada um delegado, policiais e funcionários de Ciretrans de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo foram presos suspeitos de participação em um esquema milionário de emplacamento de caminhões roubados.


Fonte: Folha Vitoria